sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Mulher de 103 anos retorna para a igreja, depois do pastor a expulsar.



Nada poderia manter Genora Hamm Biggs ,uma senhora de 103 anos, fora de sua igreja.Nem mesmo um pastor que a expulsou da igreja,onde ela frequentou por quase um século.

Genora Hamm Biggs está agora autorizada a regressar à União Grove Baptist Church em Elberton, Ga. – E o pastor que expulsou ela,é o único que não vai estar de volta, de acordo com seu advogado.

Membro da igreja desde que ela tinha 11 anos, Genora Hamm Biggs foi proibida no mês passado de frequentar os cultos,depois que ela discordou com o pastor da igreja sobre o seu estilo de pregação. Quando ela disse que não iria deixar a igreja e que iria frequentar os cultos mesmo assim, a polícia foi chamada para a pequena igreja, onde ela também trabalhou como secretária por quase 40 anos.
Após a sua expulsão, o pastor Tim Mattox, que era pastor da igreja a seis anos, alegou que ele recebeu ameaças de morte. Na quarta-feira,alguns membros anunciaram que estavam deixando a igreja, juntamente com o pastor  para formar uma nova igreja.

Genora Hamm Biggs agora tem a chave da igreja e  é responsável, junto com os outros membros da igreja, para a eleição de um novo pastor.

"Esta é a única igreja que ela já conheceu", disse seu advogado. "Foi o avô dela quem começou a igreja."

Genora Hamm Biggs e o pastor brigaram devido o estilo de pregação, que ela caracteriza como um modo que  não pertence à igreja Batista. As tensões entre o pastor e ela vieram à tona no início de agosto, quando o pastor  Mattox enviou-lhe uma carta afirmando que ela não podia mais ir à igreja  "por qualquer motivo".

"Esta carta é para informá-la que, de acordo com o Estatuto Social da Union Grove Baptist Church, e pelo voto dos membros ativos, qualquer associação ou associações que você já teve com esta igreja estão agora oficialmente revogada", dizia a carta, datada de 02 de agosto.

O Pastor Mattox e alguns  membros da igreja estão planejando  iniciar uma nova igreja, chamada New Bethel, e dizem que Genora Hamm Biggs não seria bem-vinda para participar.


Genora Hamm Biggs, no entanto, disse através de seu advogado que espera que esses membros da igreja que sairam um dia irão voltar.

FoxNews

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS:

Gostou? Compartilhe com seus amigos. E para receber as atualizações do Blog, com textos como esse, cadastre gratuitamente agora seu Email. Sempre que novos textos forem publicados você receberá em seu Email um aviso. Muito obrigado pelo apoio.

Delivered by FeedBurner

---------------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 7 de julho de 2015

Teólogo da Arábia Saudita que ensinou a "Jihad 101" aos combatentes do Estado Islâmico (ISIS), pede uma Bíblia,depois de não aguentar mais tanta morte.

Membros do ISIS decapitando cristãos do Egito 


Um teólogo islâmico responsável por ensinar militantes ISIS a "jihad 101" voltou-se para a Bíblia depois de não aguentar mais"tanto assassinato" e encontrando-se ansiando por algo "melhor", de acordo com um missionário cristão que trabalha no Oriente Médio.
O missionário cristão, apresentado como"Julian" durante uma recente entrevista no programa de radio do  The Voice of Martyrs (A Voz dos Mártires)  , acredita que o "ISIS está sendo usado para revelar algo escuro do  coração do Islã".
" eu sei que muitos, muitos muçulmanos querem distanciar-se e estão envergonhados por isso e e são ótimas pessoas", acrescentou Julian. "E não devemos ver nossos vizinhos muçulmanos como terroristas ... mas como vizinhos que querem ser uma parte regular da comunidade. Mas, no entanto, algumas dessas coisas estão sendo exposto como nunca antes."
          Julian sugeriu que "expor o mal" do ISIS leva a "insatisfação e desilusão" entre os seguidores e futuros partidários.
O missionário foi apresentada apenas com o nome de "Julian" e não pode revelar seu nome verdadeiro, na entrevista ", porque ele é um missionário  que viaja dentro e fora do mundo muçulmano em uma base regular", explicou o anfitrião Todd Nettleton da VOM Radio. VOM(Voice of Martiyrs )é uma organização sem fins lucrativos que chama a atenção para a perseguição de cristãos ao redor do mundo.
Julian foi descrito como "um trabalhador no mundo muçulmano" filiado a Operação Mobilização  - um coletivo de 6.800 missionários voluntários e funcionários que trabalham em 118 países para espalhar "a mensagem de esperança através de Jesus Cristo aos homens, mulheres e crianças ao redor o mundo. "
O missionário passou a falar de dois episódios  envolvendo membros do ISIS  que ele ouviu  falar em um evento de oração no Egito em outubro.
"Trata-se de um combatente que de repente, inesperadamente , teve uma visão da cruz. Para um combatente ISIS isso é uma má notícia, não uma boa notícia", disse Julian, rindo depois.
               " Ele está à procura de um bom site muçulmano para reforçar a sua fé, e, inadvertidamente, ele entra em um site Cristão , começa a ficar interessado​​ e curioso, lê e as dúvidas crescem. Ele deixa a Síria, vai para a Turquia e encontra um cristão que é capaz de compartilhar o Evangelho e ele abraça a fé cristã. E ele estava em uma conferência da igreja no Líbano em outubro e compartilhou essa história pessoal. "
"O Outro episódio que ouvimos foi a partir do Líbano que havia um motorista de táxi que era um cristão, na fronteira com a Síria, e no táxi dele recebe um homem com uma grande barba. E o cara com a barba diz:" Leve-me para do aeroporto, eu estou voando para casa na Arábia Saudita. Mas, no caminho, eu quero encontrar uma Bíblia. Pode me encontrar uma Bíblia? '", "E o motorista de táxi sabia que um trabalhador cristão em Beirute ficaria muito feliz em dar ao homem  com  barba  uma Bíblia. E, em seguida, 'Senhor, gostaria de nos dizer por que você está procurando uma Bíblia?" Sua resposta foi: "Eu sou da Arabia Saudita, eu sou um xeque (o que significa que é um professor do Islã). Eu estive na Síria para ensinar aos membros do ISIS, a teologia e a prática da jihad. Estou farto de tanta matança. Deve haver algo melhor do que isso. "
 "Eu acho que esse cara estava dando justificativa teológica para a violência ao ISIS e algo simplesmente aconteceu e seus olhos tinham sido abertos e ele disse, 'Eu estou cansado disso. Deve haver uma maneira melhor. Dê-me uma Bíblia'", acrescentou Julian .
           O Estado Islâmico do Iraque e da Síria, referido como ISIS, ISIL ou o Daesh, anuncia suas decapitações brutais de cristãos e execuções públicas de dissidentes muçulmanos e outras minorias religiosas através de vídeos de propaganda e imagens publicadas online. A organização terrorista, que tem gerado debate  sobre suas reivindicações ao Islã desde que emergiu com força total em 2014, também tem submetido mulheres e jovens para os casamentos forçados, prisão e estupro. O grupo terrorista, ligado  ao  terrorista jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, também treina jovens rapazes na jihad violenta.
No final de sua entrevista, Nettleton perguntou Julian como os cristãos podem orar pelo  mundo muçulmano.
            "Muitos de nós, quando olhamos para o que está acontecendo com o ISIS, queremos orar contra eles. Este é o mal, este é desprezível, é atroz, de modo a reação natural é orar por raiva contra eles", o missionário respondeu.

           "Estas são pessoas que foram enganadas, eles estão perdidos. Eles estão indo para uma eternidade sem Cristo. Nesta conferência de oração que eu estava  no Egito, fomos informados sobre uma palavra profética que havia sido dada em outra conferência que ressoou com a gente, que disse que "eu tenho um outro Saulo no caminho de Damasco (capital da Síria), e eu tenho um Ananias e uma Barnabé pronto e tenho a intenção de levantar  figuras apostólicas dos combatentes do ISIS."Nós Precisamos orar para Deus trazer à tona e levar à conversão os combatentes do ISIS ",


Fonte: christianpost.com

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS:

Gostou? Compartilhe com seus amigos. E para receber as atualizações do Blog, com textos como esse, cadastre gratuitamente agora seu Email. Sempre que novos textos forem publicados você receberá em seu Email um aviso. Muito obrigado pelo apoio.

Delivered by FeedBurner

---------------------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Filhos e filhas de Wesley

         


         O Que Nelson Mandela, Margaret Thatcher e Hillary Clinton têm em comum? Resposta: em todos os três casos, os seus primeiros pontos de vista do mundo foram formados (junto com outras influências, é claro) pela igreja metodista.

         Thatcher, foi uma criança que cresceu na cidade de  Midlands,e frequentava a igreja junto com sua família. Todos os domingos, ela participava de vários cultos da Igreja metodista.  Mais tarde, ela se juntou à Igreja da Inglaterra, e seus laços com o Metodismo foram tensos pela greve dos trabalhadores das minas de carvão de meados dos anos 1980, que ela como primeira-ministra derrotou. Em sua região de origem, muitas comunidades metodistas apoiaram os mineiros. Mas ela atribuiu sua crença na auto-disciplina, auto-aperfeiçoamento e paciência às suas origens metodistas.

           Ela e o Sr. Mandela estavam longe de serem  almas gêmeas; ela chamou uma vez a sua organização, o Congresso Nacional Africano, um grupo "terrorista típico". Mas ele também cresceu em um mundo Metodista. Sua mãe devota  batizou ele naquela igreja, e enviou-o para uma escola primária metodista. Mais tarde, seu pai adotivo, o regente do povo Thembu, insistiu em atendimento semanal no culto e mandou-o para dois diferentes internatos metodistas. Sua viúva, Graça Machel é uma metodista que foi educada em escolas missionárias em Moçambique.

           E, como um candidato presidencial recém-declarada, a senhora Clinton pode se juntar à lista de líderes mundiais que surgiram a partir da relativamente pequena denominação cristã. (Seu maior membro, a Igreja Metodista Unida , reivindica cerca de 8 milhões de membros nos Estados Unidos ; se você incluir várias ramificações do Metodismo, a soma total é de cerca de 75 milhões no mundo.)

Embora Hillary Clinton não defenda a ideia de misturar política com religião, ela exibe suas origens metodistas mais abertamente do que Thatcher ou Nelson Mandela. Ela foi uma garota que  ajudava a limpar o altar na igreja local, mas sua fé também a levou para lugares mais desafiadores: ela usou para acompanhar um pastor de jovens em visitas a comunidades urbanas em Chicago. Durante a presidência de seu marido, ela trouxe sua família ao culto em uma igreja metodista, e participou de um grupo de oração inter-partidário.

         Com três tais pessoas diferentes, seria temerário apresentar qualquer teoria sobre o tipo de visão de mundo que o Metodismo incentiva. Se não houver qualquer denominador comum, deve ser um etos, em vez de uma ideia política particular.
Que tipo de ethos? Desde os dias de seu fundador, John Wesley, o metodismo tem sido uma mistura incomum: apaixonados por idéias e fé, mas também apaixonado pelo serviço no mundo. (Por outro lado, a maioria das igrejas orientadas para a ação são mornas em sua teologia, enquanto outros estão muito ocupados com ritual e teologia sem ter muito tempo para o mundo.)

         Wesley partiu para mobilizar os complacentes,ele era da privilegiada Igreja da Inglaterra e só com relutância se separou. O movimento que ele fundou é igualitário e anti-elitista; de diferentes maneiras, que oferecia um caminho para o progresso para um jovem Africano promissor e para uma menina de classe média baixa em uma pequena cidade Inglêsa.

         E embora eles responderam de formas contrastantes, todos os três políticos tiveram que, durante sua infância ouvir a chamada de Wesley para o serviço prático: "Faça todo o bem que puder, por todos os meios que puder, de todas as maneiras que puder, em todos os lugares você puder, em todo o tempo que você puder, para todas as pessoas que você puder, sempre e quando você puder. "

           Naturalmente, a relação entre a formação religiosa e as escolhas de quando a pessoa cresce nunca é simples. As pessoas podem passar a vida inteira com um mentor religioso linha dura, como o reverendo Harris, diretor de  Mandela, que "tinha uma expressão de proibir e não foi dada a leveza", mas eventualmente ligado com seu aluno sobre jardinagem. Até mesmo a piedosa Margaret Roberts (mais tarde Thatcher) lembrou encontrar uma dieta de "igreja, igreja, igreja" um pouco indigesta, às vezes.


           Mas os hábitos e mentalidades incutidos na infância geralmente ressurgem, quando as pessoas, sem dúvida, começarem  a escolher cada detalhe da composição religiosa da candidata Clinton.

Fonte: The Economist

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS:

Gostou? Compartilhe com seus amigos. E para receber as atualizações do Blog, com textos como esse, cadastre gratuitamente agora seu Email. Sempre que novos textos forem publicados você receberá em seu Email um aviso. Muito obrigado pelo apoio.

Delivered by FeedBurner

---------------------------------------------------------------------------------------------
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...